quarta-feira, 27 de maio de 2009

O que nos impede de começar um processo de emagrecimento?


Muito obrigada pelas mensagens e pelo apoio que recebo neste blogue. É bom poder contar com o apoio de pessoas que estão na mesma luta.


É facto que a comida dá prazer. É como um vício.


Se não puder comer o que quero como irei ter prazer na vida? Mas na vida existem outros prazeres. Muitas vezes não os descobrimos ou não queremos descobrir porque nos limitamos. Quantas coisas existem por experimentar? Quantas actividades? Quanto existe por explorar em nós mesmas e no mundo?


O que muitas vezes senti e que agora tento controlar, foi que a comida me dominava. Completamente dependente dela. Chegava a planear os locais onde ia, com vista no que iria comer. Não os locais que escolhia para ter uma refeição, mas sim qualquer outro local. Por exemplo: aquela loja de roupa fica perto da tal pastelaria, ou aquela bomba de gasolina tem mais variedade de chocolates ou ainda, aquela livraria fica perto daquela pizaria! Acabava por ir ao local inicial com vista no que poderia obter em termos de comida. Também comia às escondidas! Não fosse alguém comentar aquilo que como ou deixo de comer! Saía de casa à noite só para procurar algum local para comer (uma fast food qualquer)!


Atenção: falo no passado de propósito. Não que esteja “curada”, mas apenas porque quero demarcar que isso acontecia no passado e não quero que aconteça. Porque já fiz várias vezes tentativas de alterar o meu estilo de vida e perder peso. Mas emagrecia e logo voltava a engordar. Isto aconteceu MUITAS vezes. Mas agora quero colocar na minha mente que este processo irá até ao fim e que irei atingir o meu objectivo e manter um peso saudável. O resto faz parte do passado. Apesar disso, estou sempre vigilante, pois tenho que controlar sempre isso, fazendo muita auto-análise e conhecendo-me cada vez melhor para suprimir a tentação ao primeiro sinal de alerta!


Chega a ser desesperante, pois o descontrolo é total. Quanto mais se come, mais se quer comer. E o pior é que não é um vício como tantos outros, pois nós precisamos de comida para viver. E aí complica-se tudo! O que fazer? Aprender a viver com isso e aceitar que temos um problema com a comida. Aliás, o problema não está na comida, mas sim na nossa mente. Resolvê-lo passa por arranjar os mecanismos para mudar a nossa mente. Quando digo mecanismos, digo internos - dentro de nós, mas também externos, como ajuda psicológica profissional. Perceber o porquê de comer em excesso, quando as causas físicas (doenças, disturbios hormonais por exemplo) foram excluidas, é essencial. Tratar o nosso lado emocional. E emagrecer será um reflexo disso.


E digo isto porque tenho mais de 100Kg! Felizmente não tenho problemas de saúde graves, mas até poderia ter. Sei que se não agir, o problema de comer emocionalmente continuará- o não saber lidar com as minhas emoções e comer para preencher o vazio cá dentro.

E mais do que emagrecer, eu quero mudar por dentro! Sei que isso se vai reflectir por fora.


Aposta num novo estilo de vida e toma as rédeas do teu destino!!! Acredita em ti. Dá-te essa oportunidade. Não desistas. O que te impede de começar um processo de emagrecimento? O que te impede de ir até ao fim? Ás vezes nós próprios impedimo-nos de fazer as coisas. Há coisas que só dependem de nós!
Bjs

7 comentários:

Da gordura à formosura disse...

Olá Dianna!
Gostei muito deste post e identifiquei-me com algumas coisas, como a parte de comer para preencher um vazio.
Comigo nunca se passou isso de planear onde ir porque fica mais perto disto ou daquilo. E também não é a fast food que me engorda, porque raramente a como.
Eu engordo mesmo é com as quantidades. Muito pãozinho com queijo e marmelada ou manteiga e essas coisas assim.
É claro que quando nos oferecem doces (já estive mais longe de dizer para não nos oferecerem esse tipo de coisas) e ando em baixo, ataco a caixa dos doces e como até ficar enjoada, mesmo não apreciando os ditos.
Mas isto que escreveste serve para vermos mais uma vez que cada caso é um caso. E que somos nós próprias que temos que aprender a lidar com isso. Com ou sem ajuda externa (psicologos,etc.).
Beijinhos.

SRA disse...

Identifico-me ao maximo com este teu post!!!

Anabela disse...

Hoje não te li, desculpa, mas tenho um pedido que estou a fazer ao mundo.
Passei para pedir para que orem por duas pessoas, a Lucilia e a Maria, está explicado lá no blog ok? Agradeço a força e a oração com toda a nossa fé em deus que é pai, vamos unir as mãos e vai dar certo.
MIl beijos de carinho e obrigada de coração...

Tâm disse...

oi thuca obrigada pelo comentario!!=)
pode dxar q se eu for pra europa te falo com certeza
bjitos

@ Patty @ disse...

Oi Dianna,
Obrigada pelo carinho lá no meu blog. Na verdade, a médica quis me receitar o remédio na primeira consulta, eu que rejeitei. E ela achou ruim pois disse que a sibutramina é "especialmente recomendada pra obesidade mórbida".
Força pra vc, determinação e muito sucesso no seu emagrecimento.
E vamo que vamo, uma magra nos espera.
bjinho

Rachel disse...

Ola Dianna, td bem?

Menina me identifiquei muito qd vc falou do fato de ficar associando certos passeios à comida. Eu tb estava assim!!! é mt louco isso, né? Se contar ninguém acredita... só quem passa por isso sabe como é! Mas tb acho que apesar de tudo temos muita força para superar isso ou qq outra coisa!!! Obrigada pela força que vc me dá! É de grande estímulo para mim! BJS

@ Patty @ disse...

Oi Dianna,
Indiquei vc para um brincadeira lá no meu bloguinho.
Depois dá uma olhada.
bjinho